Confesso que Fui Conhecer em Fortaleza: O Mar Menino


Quem bate o olho no nome do restaurante, acha que ele vem da expressão cearense "Marminino!". Mas não. Segundo o chef e proprietário da casa, Leo Gonçalves, ele vem do 'mar criança', de suas memórias de menino pelos litorais onde ele morou. Sua infância foi assim: mudando de cidade constantemente, graças ao ofício de seu pai na época, mas sempre morando à beira mar.

Depois de tantas idas e vindas, Leo formou-se em publicidade e resolveu morar em São Paulo. E por lá ficou durante 17 anos sendo  publicitário. Mas, durante esse tempo, a curiosidade sobre gastronomia foi despertando em sua vida e mesmo sem formação na área, foi estudando em casa, comprando equipamentos profissionais e montando uma cozinha que, segundo ele, era "quase científica", onde reproduzia as receitas de chefs famosos.


Criou um blog e, com ele, teve contato com grandes chefs nacionais. Em 2013, já cansado da publicidade e querendo viver da gastronomia, aproveitou o corte de funcionários que a agência fez na época e viu a chance de realizar esse sonho. Ele conseguiu 'estagiar' e viver a rotina de alguns chefs famosos como André Mifana, Roberta Sudbrack, além de passar um tempo no Central Restaurante, que fica no Peru e foi eleito um dos 50 melhores restaurantes do mundo.

Não demorou para que a oportunidade de abrir seu próprio restaurante chegasse. Em Fortaleza, terra de sua esposa, a arquiteta Dora Coelho  (responsável pelo projeto do O Mar Menino), ele trouxe um restaurante e simples mas bem cuidado em todos os detalhes.  Eles não colocam toalhas na mesa, pois o objetivo é focar na comida e 80% dos ingredientes são orgânicos e de produtores locais.


A casa é focada em pratos simples, com um toque cearense, mas com muitas referências de onde o chef passou.  Tem itens da terra sim, mas lá você não vai encontrar baião de dois, por exemplo. 
E vão saber que o contra filé  é mais macio que o filé, do jeito mais simples.  O Camarão com sal é básico, mas lá é defumado na casca da aroeira.
A casquinha de caranguejo vem das suas referências de infância: quem nunca chegou na barraca de praia e pediu a casquinha com aquele molho verde acompanhando? Mas no O Mar Menino, ele é feito ao vinho branco, com leite de castanha e acompanha uma farinha do Pará.  O pato aqui não é com laranja, mas com cajuína.

Mas vamos ao que me foi apresentado?


De entrada, veio a poção de Piabinhas fritas no creme de pipoca (R$24). Isso mesmo, pipoca! É o lado lúdico dos pratos do lugar, repleto de referências da infância. A crocância fica por conta das piabinhas, bem fritas e sequinhas e  a suavidade entra no molho de pipoca, contrastando perfeitamente com a entradinha.


O frescor dos ingredientes pode ser atestado pelas duas sugestões a seguir:

a Panelinha de Frutos do Mar (R$34). Peixe do dia, polvo e camarão cozidos no molho de tomate ao vinho tinto. 
A apresentação é linda, vem numa panelinha rústica com uma torrada comprida cobrindo parte dela, junto com um camarão e um tentáculo do polvo. A textura do último estava no ponto certo e com um sabor correto, destaque para o molho de tomate ao vinho, que conferiu um aroma ótimo e um sabor apurado ao prato. 

Daí chegou o Fideuá de frutos do mar (R$58), que é uma massa capellini cortada, com exatamente os mesmos itens da panelinha: o peixe do dia, polvo e camarão cozidos no molho de tomate ao vinho tinto.  


Pra beber, caipirinha com três limões e rapadura (R$16) que beberia a noite toda de tão deliciosa e equilibrada, e a caipirosca de morango, uva e manjericão (R$18). Elas são os hits da casa, mas a primeira me conquistou.



Pra finalizar, fui de Io Io Cream Cearense: esse mousse de chocolate branco com "nutella" feita com chocolate meio amargo amazônico com castanha de caju (R$16).
Essa nutella feita por eles tem um ótimo sabor, nada enjoativo, com a textura levinha, daquelas sobremesas que a gente não quer que acabe nunca no prato.

Ah, o Io Io vem cercado por essas 'chegadinhas' que carregam todo um lado cultural: elas são compradas do "senhorzinho" que sai pelas ruas com sua lata nas costas e tocando um triângulo (quem lembra?).
Mais cara de infância no Ceará impossível!


A decoração é quase toda composta por objetos que o Leo trouxe de suas viagens ou de presentes, como esses quadros ilustrados por amigos.


A parte externa é no quintal, ideal para eventos (consegue fazer para até 30 pessoas tranquilo, basta reservar), tem seu charme com árvores preservadas do local e o detalhe dessa rede para evitar que as folhas caiam nas mesas acabou deixando o visual incrível!


Com proposta lúdica, cheia de história pra contar e apostando na "cozinha artesanal", onde tudo é feito em pequena escala e com capricho, O Mar Menino me conquistou e confesso que vou voltar para conferir o que eles tem a oferecer além das coisas vindas do "Mar".

Vai lá e me conta como foi a experiência ;)


O Mar Menino


Av. Barão de Studart, 1043 - Aldeota. Fortaleza - CE.

Fone: 85 3039.5359

Horário de Funcionamento:

Ter a sab  -  19h às 1h (cozinha até às 23h).


_


você também vai gostar:

Gastronomia
Comentários
0 Comentários

Somos apaixonados por locais, sabores, aromas, formas e cores.

Tem alguma crítica ou sugestão? Algo que queira falar para a equipe do Confesso que Fui?

Manda um e-mail que responderemos assim que possível!


confessoquefui@outlook.com