Design em Fortaleza: a arte de Nódoa


"Quando se fala em movimento artístico as coisas são sempre levadas para um lugar meio subjetivo, impalpável, quase uma neblina, o que torna difícil identificar um início real da coisa. Acredito que tudo se iniciou quando era pequeno e via meu pai pintar seus quadro e fazer esculturas, essa abertura de possibilidades de produzir um objeto de arte veio cedo por conta disso." - é assim que André Nódoa explica como iniciou seu projeto de arte de rua que, há dois anos, encanta quem passa a conhecer seu trabalho.

Ele vem fazendo street art pelas ruas do Ceará com seu traçado fino que, hora lembra o mar, hora lembra o sertão, além de produzir e comercializar peças em diversos materiais como madeira, couro, vidro e tecido. 

Como nunca foi bom aluno, percorreu sua vida voltado para o desenho. E quem ama desenhar sabe: sai rabiscando tudo: "desde cadernos e até em provas importantes ao invés de prestar atenção na aula."
Formado em Publicidade e Propaganda, André trabalhou durante três anos em uma produtora de filmes publicitários em Fortaleza, o que foi muito importante por conta da variedade de técnicas e referências que teve de aprender para produzir os jobs. Mas foi só quando saiu do emprego que conseguiu se dedicar com mais foco à produção de sua arte.


"As superfícies que uso para produzir são bem distintas, se você vê só com os olhos. Entendo que tudo é parte de um todo, o que muda de um objeto pro outro é o comportamento e estrutura da molécula. E esse pensamento faz com que eu não acabe em mim, minha pele não é meu limite ou barreira do meu começo e fim. Tem uma parte na letra de uma música de Alceu Valença que reflete esse pensamento - Que eu sou eu, e sou fulano, sou sicrano, sou você" - e é a mais pura verdade, eu sou você, sou o chão a estrela e poeira na sala. Com isso em mente também produzo peças em madeira, couro, vidro, papel, acrílico, tecido, tinta e outros materiais, mas no final é tudo a mesma coisa."


Cubismo e a Arte Abstrata são as escolas que mais influenciam Nódoa. "Picasso foi um grande libertador da forma como produzo, e outros como Le Cobusier, Carybé, Matisse, Almicar de Castro e Antino Silva que além de meu pai é também artista plástico, e é um dos principais influenciadores do que produzo."

Mural " Linhas de Socorro" feito no Festival "Além da Rua", na Prainha do Canto Verde.

Segundo o artista, Fortaleza tem uma abertura interessante para a arte urbana, grandes festivais acontecem por aqui como o Concreto e o Além da rua, que trazem artistas do mundo inteiro para ilustrar e colorir a cidade. Além de outros eventos menores, que deixam a cidade com um bom fluxo de artistas pintando na rua o ano todo. "Acredito que festivais como esses mudam a forma como as pessoas veem a arte urbana, entendendo a importância e a seriedade de se ter obras expostas de forma pública e gratuita. O que torna mais fácil acordar um domingo de manhã decidir pintar um muro qualquer e ser bem aceito tanto pelo dono do muro quanto por quem passa."


O artista afirma que ainda não pode dizer que vive da sua arte. Apesar de ter dois anos dedicados ao ofício, só de uns meses para cá ele vem pensando de uma maneira mais madura sobre esse processo. "Na real, algumas várias contas ainda são pagas com freelas que faço de diretor de arte para filmes." - afirma.

Falando de empreendedorismo criativo em Fortaleza, o seu desafio é justamente esse, o de empreender: "é, sem dúvida, o que mais me desgasta. Sinceramente, o que eu gostaria de fazer seria ficar o dia no meu ateliê só pensando e produzindo arte. Mas a vida não funciona assim... Existem contas que insistem em chegar e elas precisam ser pagas". Ele busca posicionar-se bem no mercado, ter foco, cadência, e organização, aprendendo a cada dia a arte (o que também não deixa de ser) de empreender. 

Sua maior forma de divulgação é o Instagram e Facebook. Por se considerar tímido, ele considera as duas redes responsáveis por seu trabalho conseguir chegar até as pessoas.







O artista por ele mesmo:


"Meu nome é André Nódoa, mas isso não quer dizer quase nada, tenho 25 anos e isso diz menos ainda, sou do signo de aquário, mas signos são tão profundos quanto um pires. Porém sou filho de dona Elionete e seu Antino e isso sim é que é o mais importante."




Onde encontrar o trabalho:



Telefone: (85) 9 8216.3007

_


você também vai gostar:

Fortaleza
Comentários
0 Comentários

Somos apaixonados por locais, sabores, aromas, formas e cores.

Tem alguma crítica ou sugestão? Algo que queira falar para a equipe do Confesso que Fui?

Manda um e-mail que responderemos assim que possível!


confessoquefui@outlook.com